Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Nem que fosse só uma

por Pequeno caso sério, em 30.06.21

Passou um mês desde que fui submetida a duas intervenções cirúrgicas. Sim. Leram bem. Duas. Sou gaja e portanto nunca nego uma boa promoção. 

Sem entrar em muitos detalhes, quero tranquilizar todos aqueles que continuam a vir aqui diariamente em busca de notícias (mas mesmo que tivesse sido só uma pessoa faria o mesmo). Acho que é o mínimo que posso fazer para retribuir todas as palavras que alimentaram a caixa de comentários deste projeto (?) que fez, faz e fará parte dos meus dias.

 

As cirurgias correram dentro do esperado e encontro-me na não menos chata fase 2 : a recuperação.  Mobilidade ainda reduzida e zero esforços durante mais algum tempo. Por essa razão, a escrita diária ainda não me é possível. Mas fica prometido que voltarei mal o corpo assim o permita. E só para vos descansar, apesar de me terem retirado algumas coisas, o humor ficou intacto. Para o provar, deixo aqui um pequenino reparo :

Aos seguidores merdosos que aproveitaram a minha ausência para desubscrever (?!) este canto pois deixei de o alimentar com maluqueiras que vos faziam rir, não por vontade própria mas por me encontrar muito perto do que suponho ser um farrapo humano, além de desejar que padeçam de obstipação intestinal quando forem suturados, deixo-vos ainda três palavrinhas : 

637d974849bc497f33720e94b9b2d549_w200.gif

São os detalhezinhos que revelam o lado mais surpreendente das pessoas. Ou talvez não, que isto do ser humano há muito que deixou de me surpreender.

csscissors.jpg

Aviso à navegação

por Pequeno caso sério, em 28.05.21

Nunca tive jeito para despedidas nem para dar notícias menos boas mas como sei por experiência própria que tirar um penso rápido doí muito menos se for à bruta, então cá vai:

 

Por motivos alheios à minha vontade, estarei ausente do blog garantidamente durante as próximas duas semanas. Isto se tudo correr bem. Se correr mal, olhem, foi um gosto. 

 

 

 

E já agora, se não for pedir muito, podem mandar estes quatro tratar de mim que a pessoa pode ser  esventrada mas não fica ceguinha.

 

 

Até breve.

csscissors.jpg

P@l@vr%$#

por Pequeno caso sério, em 24.03.21

Se há coisa que me custa, que me indigna, vá, é ver a maneira como algumas pessoas tratam os palavrões. Os palavrões são um assunto que me é muito caro como já expliquei aquiaqui e aqui.

Posto isto, e para começo de conversa, gostava muito de perceber qual é a diferença entre escrever ca#@$%& e caralho. Ou f%#@&€ e foda-se. Ou m€£#@ e merda.

Expliquem-me. Mas expliquem-me como se eu fosse muito burra.

É que se é para não ser tão "agressivo", lamento. Com asteriscos ou cardinais, a mensagem é a  mesma.

 

Pior que isto, só a maneira como as pessoas se abespinham se um palavrão for escrito e, ai de nós, dito, por uma mulher. Acreditem, sei do que falo. Sinto isso na pele diariamente sem sequer dizer todos os que me apeteciam.

Um "foda-se" escrito (ou dito) por um homem, é normal (inclusivamente em horário nobre e sem "piiiiis"). Mas se for escrito (ou dito) por uma mulher, fica mal. Passa a ser uma ordinária ou vulgar. E ai Jesus se tiver um emprego respeitável (?) e for apanhada a escrever merdas na internet. Crucificação na hora.

E sim, ainda acontece. Mais vezes do que se pensa. 

 

Aqui fica um (triste) exemplo que vi no Instagram da autora do blog "Ser super mãe é uma treta". 

 

20210323_083539.jpg

20210323_083552.jpg

 

 

Ano 2021 do século XXI.  

Fo-da-se. 

 

csscissors.jpg

Então Pequeno caso sério...

por Pequeno caso sério, em 22.03.21

...'qué que tens a dzer sobre a polémica das vacinas  da Astraznéca?- perguntam vocês com essa mania de recorrer à minha vasta sapiência antes de darem um peido.

Mas olhem, desta vez, lixaram-se.

Se por um lado acho que a vacina é  a única hipótese que temos de nos proteger um bocadinho contra o bicho, por outro, não confio a 100% naquela que provavelmente me calhará na rifa. 

Creio que os cientistas fizeram o melhor possível em tempo recorde mas a mim ninguém me tira aquela desconfiançazinha de treinador de bancada. E digam o que disserem, não senhores, as vacinas não são todas iguais :

 

20210321_150057.jpg

Agora que já têm em vosso poder esta informação altamente qualificada, pensai bem, e ide dar o bracinho ao manifesto. 

csscissors.jpg

Muito simples.

Mostrem-lhes isto e verão que é remédio santo:

20210120_191101.jpg

 

Ou então isto que é só a melhor "lição" sobre Covid a que alguma vez já assisti :

 

Captura de Ecrã (17).png

Obrigada ao Bruno Nogueira pelo autêntico serviço publico que prestou às 110 mil pessoas que assistiram.

Obrigada ao Dr. Gustavo Carona pelo testemunho e pela dedicação. É muito bom saber que ainda há médicos que têm o coração do lado certo. 

csscissors.jpg

Gasolineiras: pré pagamento ou roubo?

por Pequeno caso sério, em 19.01.21

Se tal como eu têm de se deslocar em viatura própria para o trabalho é com certeza frequente terem de dar palha à mula, vulgo, atestar o depósito.

Ora sucede que como sou uma tesa do caraças aproveito o facto de ter um cartão de "desconto" numa gasolineira que está associado ao seguro do carro e que me permite não só poupar uns euritos de cada vez que lá vou como também (aquilo que todo o pobre gosta) acumular pontos que posso trocar mais tarde por pequenos eletrodomésticos ou por qualquer produto que tenham em catálogo. Até aqui tudo muito bem. Parece que é coisa pouca mas ao fim do ano quando me mandam por mail a quantia que poupei com o cartão, até bato palminhas.E se juntarmos também  o cartão do marido, até faço o pino.

Acontece que muito recentemente a bomba a que me desloco quase sempre deixou de ter disponível a modalidade chegue-abasteça-e-pague-só-no-fim. Agora, é preciso ir primeiro lá dentro pagar e só depois abastecer. Tudo bem. Até consigo perceber que na modalidade anterior os calotes fossem mais que muitos e tenham obrigado os donos das gasolineiras a precaver-se.

O que eu não aceito é fazerem de mim ainda mais parva.

 

Ontem ao fim da tarde fui abastecer com 30 euros (pobre que é pobre, abastece às mijinhas). 

Agarro no toalhete de papel e seguro na agulheta que enfio no depósito.

Assim que aperto, sinto um jato poderoso a sair que até tremia a mão.

Quando chegou aos 27 euros, minhas amigas, aquilo parecia um velho de oitenta anos a mijar para uma árvore: um jato que mal se sentia e muito d-e-v-a-g-a-r-i-n-h-o. Levei o dobro do tempo a abastecer 3 euros comparativamente aos outros 27 obrigando-me à figura ridícula de estar ali especada de mangueira na mão (que imagem linda) a bufar. Cusca, decidi tirar a agulheta para visualizar o que de lá saía. Não só fodi um dos botins com um pingo de gasóleo, como comprovei que me estavam a engrupir  pois aquilo eram gotas, senhoras, gotas de gasóil  misturadas com ar.

Maneiras que na próxima semana estou lá batida outra vez na mesma bomba.

Adivinham para quê?

Exato.

 

 

nota: isto passou-se numa marca de gasolina mas tenho a certeza que todas as que adotaram a modalidade de roubo à descarada pré-pagamento façam a mesma coisa. É verificar da próxima vez que lá forem. Experimentem abastecer uma vez (se conseguirem!) sem pré pagamento e outra com pré pagamento e sintam a pujança da agulheta numa e noutra situação. Depois é só multiplicar isto por milhares de clientes por dia. Resultado? 

 

É só fazer as contas!

gterres.jpg

 

csscissors.jpg

Culpa nossa? Minha não.

por Pequeno caso sério, em 18.01.21

Hoje o post não é no registo de maluqueira habitual. E porquê? Porque o que se passa é demasiado sério. Até para mim.

 

Desde março, repito, março, que só saio de casa para comprar comida, ir à farmácia/médico e ir trabalhar.

Não vou comer fora (mesmo quando era permitido).

Não janto com os meus pais há meses e as poucas visitas que lhes faço são de máscara, sem afetos e distantes uns dos outros.

O Natal e Ano Novo foi feito a 3, longe de tudo e de todos.

A única vez que "rompi " o confinamento foi em julho para ir à praia com 4 amigas com quem não estava fisicamente há meses porque fiz anos em maio e achámos que a praia seria um lugar seguro. E foi. Andámos muito a pé num dia particularmente quente, até sermos só nós e os nossos chapéus de Sol. Cada uma levou a sua comida. Era isto ou nada. Preferi isto.

 

A minha filha fez 18 anos em pleno 1°confinamento e não teve direito a comemorar como devia a sua maioridade .

Não teve o tão desejado baile de finalistas cujo vestido continua pendurado atrás da porta do quarto na esperança sabe-se lá de quê. 

A viagem de finalistas, planeada durante meses, também não aconteceu...nem sei se virá a acontecer.

Durante o verão foi 3/4 vezes à praia com um grupo restrito de amigos. 

Está há meses a ter aulas on line e ainda não sabe o que é o espírito académico. 

 

 

É por tudo isto que fico verdadeiramente fodida com as imagens que vi deste fim de semana.

Gente aos magotes em "passeios higiénicos"  nos paredões deste país...enquanto morriam pessoas dentro de ambulâncias na porta do hospital à espera de serem atendidas...enquanto médicos e enfermeiros, exaustos, tentam acudir quem podem e começam a ter de fazer...escolhas.

 

Caralho.

Caralho para quem só pensa no seu umbigo. 

 

Ah e tal mas pode-se sair para desanuviar. Também faz falta.

 

O  ca-ra-lho.

Querem desanuviar? Leiam um livro. Vejam uma série. Telefonem àquele amigo que já não vêem há muito. Agora têm tempo para isso tudo.

 

E não culpem só o governo. O governo só disse que podem, não disse que devem. 

Se tomaram muitas decisões erradas? Claro que sim. E a mais errada de todas foi esta espécie de confinamento baseado no bom senso das pessoas. O resultado está à vista: Portugal foi ontem o país com mais casos por milhão de habitantes do mundo. Repito, do mundo. Problema? Portugal não tem um SNS à altura deste embate. E aí sim, o único culpado é o governo que, apesar de todas as evidências, não soube apetrechar o SNS antes da vaga chegar.

Quero lá saber se é a segunda ou a terceira porque eu, nunca saí da primeira.

E as escolas, autênticos Covidários, que se mantêm abertas? Outro tiro no pé. Dos grandes. Daqueles que vão fazer disparar as linhas dos gráficos nos próximos dias. Gostava de estar enganada. Mas não estou. 

 

Para quem acredita, é rezar.

É rezar para não nos calhar a nós ou aos nossos precisar do SNS por estes dias. Li ontem as palavras de um médico que me impressionaram :

"Quem por estes dias precisar de recorrer ao hospital com uma "simples" fratura do colo do fémur, o mais provável é que não volte a andar ".

 

E foi a isto que chegámos. Quem sempre cumpriu e quem se esteve e está completamente a cagar.

Culpa nossa? Minha não. 

csscissors.jpg

2020: do medo à esperança

por Pequeno caso sério, em 31.12.20

20201206_092224.jpg

 

Trinta e um de dezembro de dois mil e vinte.

 

Assim mesmo. Por extenso. Tal como foi extenso o ano que apesar de inesquecível, não vai deixar saudades.

O ano mais atípico de toda a nossa existência. 

O ano em que presenciámos cidades em silêncio e despidas de gente.

O ano que fomos forçados a ficar em casa e descobrir o que realmente importa.

O ano em que aprendemos (será que aprendemos mesmo?) a valorizar os profissionais de saúde.

O ano do teletrabalho, do ensino à distância e da dependência da internet.

 

Enquanto escrevo o ultimo post do ano olho para os números de ontem do Covid-19 em Portugal:

79 mortos e 6.049 novos casos de infeção.

A curva sobe de novo e temo que não fique por aqui. É o preço de alguns terem andado a brincar aos Natais como se de um qualquer ano normal se tratasse. Mas é um preço que pagaremos todos: quem cumpre e quem continua a achar que só desta vez não faz mal.

 

Aguardemos então que a tão esperada vacina seja o princípio do fim e que o ano que começa já amanhã seja o ano da verdadeira mudança. Para que o dia trinta e um de dezembro não volte a ser escrito por extenso

 

 

A todos quantos passam por aqui, deixo votos que tenham um ano cheio de saúde. O "resto" a gente vai levando. Cá estarei para vos fazer companhia, no habitual registo de maluqueira, já a partir de dia 4 de janeiro.

À nossa !

 

tenor-2.gif

 

csscissors.jpg

Se fico chateada? Claro que fico chateada!

por Pequeno caso sério, em 10.11.20

Há algumas coisas que me tiram do sério: 

1-a mentira. 'Pá, não dá. Posso até perdoar (relevar vá, que perdoar não é p'ra mim, lamento) um disparate mas uma mentira, jamais.

 

2-aquela coisa do "tenho uma coisa p'ra te dizer...mas não pode ser agora!" Foda-se. Se não pode ser na hora, então nem comecem a conversa! 

 

3- a dualidade de critérios para situações similares.

 

4- os argumentos estúpidos.

 

E foi aqui, no item n°4, que os meus olhinhos bateram enquanto lia as notícias do dia. Atentai nesta merdavilha:

 

Proposta que será entregue para ser incluída no próximo  orçamento de estado: mensalidade do ginásios poderá ser descontada no IRS do próximo ano 

.

.

.

.

.

.

.

(pausa para esperar que a vista pare de tremer c'os nerves)

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

(não parou...e agora treme-se-me o lábio também...'tou fodida que para além de maluca fiquei cheia de tiques)

.

.

.

.

Oi? Mensalidade do ginásio poderá  entrar no IRS?!

.

.

.

.

.

.

.

'Mequié?!?

'Tão obrigaram-me a estar em teletrabalho com a internet da minha casa, paga por mim, com um computador que era meu e que, como datava de 1914 deu o peido mestre obrigando-me a ir comprar outro (caso contrário não tinha como trabalhar) E A PROPOSTA DE DESPESA PARA SER DEDUTÍVEL NO IRS É A MENSALIDADE DO GINÁSIO?!?

giphy-2.gif

giphy.gif

tenor-2.gif

tenor.gif

 

Sou só eu a ficar indignada com isto?!

csscissors.jpg

E novidades?

por Pequeno caso sério, em 28.09.20

Andou a 'ternet num alvoroço porque na última semana a SIC resolveu colocar como pivot um jornalista negro:

20200927_135927.jpg

Que sim senhor;

Parabéns à SIC pela inovação (?);

Que pôr um negro com rastas como pivot nas notícias não devia ser motivo de espanto nos dias que correm, mas infelizmente ainda é ;

A SIC a dar cartas contra o preconceito;

.......e blá blá blá whiskas saquetas.

Álaver :

Tudo o que foi dito acima estaria certo não fosse o fuzuê todo que se criou à volta disto coincidir com três coisinhas que provavelmente só as 'ssoas mais atentas deram conta:

1- a escolha do moço aparecer no rescaldo da estreia da Tininha na TVI.

2- o tema "racismo" estar na ordem do dia;

3-  de ser mais um "não assunto" pois há muito tempo que umpivot com cabelo afro nos dá as piores e melhores notícias do país e do mundo, sem que uma linha se tenha escrito sobre o assunto:

20200927_135846.jpg

 

Moral da história:

Em prol das audiências, fale-se bem ou mal, o importante é que se fale. 

csscissors.jpg


foto do autor




Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.