Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




P@l@vr%$#

por Pequeno caso sério, em 24.03.21

Se há coisa que me custa, que me indigna, vá, é ver a maneira como algumas pessoas tratam os palavrões. Os palavrões são um assunto que me é muito caro como já expliquei aquiaqui e aqui.

Posto isto, e para começo de conversa, gostava muito de perceber qual é a diferença entre escrever ca#@$%& e caralho. Ou f%#@&€ e foda-se. Ou m€£#@ e merda.

Expliquem-me. Mas expliquem-me como se eu fosse muito burra.

É que se é para não ser tão "agressivo", lamento. Com asteriscos ou cardinais, a mensagem é a  mesma.

 

Pior que isto, só a maneira como as pessoas se abespinham se um palavrão for escrito e, ai de nós, dito, por uma mulher. Acreditem, sei do que falo. Sinto isso na pele diariamente sem sequer dizer todos os que me apeteciam.

Um "foda-se" escrito (ou dito) por um homem, é normal (inclusivamente em horário nobre e sem "piiiiis"). Mas se for escrito (ou dito) por uma mulher, fica mal. Passa a ser uma ordinária ou vulgar. E ai Jesus se tiver um emprego respeitável (?) e for apanhada a escrever merdas na internet. Crucificação na hora.

E sim, ainda acontece. Mais vezes do que se pensa. 

 

Aqui fica um (triste) exemplo que vi no Instagram da autora do blog "Ser super mãe é uma treta". 

 

20210323_083539.jpg

20210323_083552.jpg

 

 

Ano 2021 do século XXI.  

Fo-da-se. 

 

csscissors.jpg


35 comentários

Imagem de perfil

De Margarida a 24.03.2021 às 08:52

Absolutamente de acordo. Dizer um palavrão é libertador e não tem que ser ofensivo, já os "policias dos bons costumes", principalmente em relação às mulheres, costumam ser bastante ofensivos.
Lamentavelmente existe ainda muito caminho a percorrer até sermos tratadas com igualdade.
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 24.03.2021 às 21:53

..."Lamentavelmente existe ainda muito caminho a percorrer até sermos tratadas com igualdade"

Infelizmente estás correta.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.03.2021 às 09:53

Bem verdade, mas as maiores criticas/castradoras são mulheres. Por norma as "santas" da linguagem são as Santas de Pau Oco.
Eduarda
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 24.03.2021 às 21:56

Verdade. Muitos dos comentários desagradáveis vêm de outras mulheres que, até nisto, desconhecem o termo sororidade.
Imagem de perfil

De João Sousa a 24.03.2021 às 09:54

Um palavrão é uma palavra - e por isso pode e deve ser usado quando adequado. A minha mãe diz que eu estudei e li bastante e, por isso, não devia ter necessidade de me expressar com palavrões. Eu penso o contrário: quanto mais se percebem as palavras, mais de compreende quando é apropriado dizê-las. E, de resto, o palavrão tem uma carga emocional quase involuntária. Dou sempre o exemplo do Umberto Eco: alguém acredita que ele, por muito intelectual que fosse, ao levantar-se do sofá e bater com o joelho na quina da mesinha de mármore, se limitaria a murmurar algo como "ai, que dor tão intensa que de súbito invadiu todo o meu ser"? Claro que não: de certeza que ele lançaria, pelo menos, um sonoro e sentido "Porra!!!"
Sem imagem de perfil

De Manuela Almeida a 24.03.2021 às 18:43

Adorei todo o seu comentário, mas especialmente as últimas linhas. Lembrei-me dos meus tempos de miúda (em breve farei 67 anos) e dos almoços com os meus pais e irmãos, e um casal meus tios-avós. Quando um de nós, por qualquer motivo, dizia "que chatice" lá estava a minha tia avó a dizer "isso não se diz! Diz-se "que maçada!" ou "que aborrecimento!". Estou a falar do início dos anos 60 do século passado. O esforço que os meus irmãos e eu fazíamos para não nos rirmos era tão grande... Ah! E quando dizíamos "bestial" o meu pai sempre comentava: "bestial vem de besta". Sinto-me jurássica: sou do tempo em que "chatice" e "bestial" eram palavrões...
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 24.03.2021 às 22:18

Obrigada por esta viagem ao passado Manuela.

Se está a ler este post e os respetivos comentários garanto-lhe uma coisa : de jurássica não tem nada
Sem imagem de perfil

De Manuela Almeida a 25.03.2021 às 03:20

Obrigada, caso sério, já me fez sentir um bocadinho melhor. Aliás, ler o seu blog é uma excelente terapia e sai muito mais barato... Não costumo é comentar porque normalmente alguém já disse o que eu quereria dizer e melhor do que eu teria feito, como por exemplo fez o João Sousa.
Um pedido de ajuda, por favor: como se põem os sapinhos? Clicando em cima aparecem só uns rabiscos. Eu sou como aqueles médicos que passam receitas manuais por terem falta de conhecimentos informáticos para passarem electrónicas... Desculpem qualquer coisinha.
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 25.03.2021 às 08:13

Manuela, todos os comentários são bem vindos e preciosos pois é da interação que se gera entre quem escrevece quem lê que a coisa tem graça.

Quanto aos sapinhos faça assim:
escolha o sapinho que quer,
clica em cima ( aparecem uns rabiscos mas é mesmo assim. Assim que publicar o comentário o sapinho que escolheu aparece. Não é nada que a Manuela esteja a fazer mal, é mesmo assim )

Espero ter ajudado mas se precisar, estou aqui
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 24.03.2021 às 22:02

Caro João,
obrigada pelo comentário. Vou passar a olhar o Umberto Eco com outros olhos ...se bem que "porra" nem sequer entra na categoria dos palavrões. Quando muito, é um primo afastado.

Concordo em absoluto consigo quando diz que o palavrão tem uma carga emocional involuntária. Sou prova viva disso.
Imagem de perfil

De Rute Justino a 24.03.2021 às 10:29

Ora foda-se as pessoas têm sempre que falar!
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 24.03.2021 às 22:02

Bardamerda p'ra elas.
Imagem de perfil

De Luísa de Sousa a 24.03.2021 às 11:39

Existem situações stressantes que nós mulheres passamos que apetece mesmo dizer palavrões ... já me aconteceu muitas vezes e eu nem ligo para as opiniões

Beijinhos
Feliz Dia
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 24.03.2021 às 22:04

Comigo nem precisam de ser stressantes. Saem e pronto.

E achas que eu ligo Luísa?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.03.2021 às 14:31

..completamente de acordo . O que é um " bolas" , " chiça " , " caramba" " ó que diabo " ao pé de um foda-se , de um caralho ou de um puta que pariu ? Os palavrões são libertadores, desanuviam a filha da puta da alma .
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 24.03.2021 às 22:06

Desanuviam tanto... e se formos a ver, até não são tantos assim. Então porque raio havemos de os escrever com asteriscos, símbolos e o caralho a sete ?!
Que graça é que isso terá?
🤔
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.03.2021 às 18:24

FODASSE CARALHO!!! GRANDE POST!!!
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 24.03.2021 às 22:09

É foda-se.
E o post não é assim muito grande mas se pôs algumas pessoas a pensar nisto e a dar a sua opinião, então já valeu a pena.
Sem imagem de perfil

De Magui Ferreira a 24.03.2021 às 19:20

Realmente, uma senhora não diz/escreve palavrões, ora foda-se.


Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 24.03.2021 às 22:10

Tu queres ver que sou uma traveca, caralho?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.03.2021 às 19:41

Em destaque no SAPO
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 24.03.2021 às 22:11

Olha...pois está.
Obrigada pelo alerta pois não recebi nenhuma ligação/aviso.

Comentar post


Pág. 1/2



foto do autor




Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.