Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Crescer sem "estaca" ou violência infantil

por Pequeno caso sério, em 11.10.16

Assistimos diariamente a episódios violentos envolvendo crianças cada vez mais novas.

Nós, que somos crescidos, devíamos saber sabemos bem de onde vem tanta agressividade:

Crianças com horários brutais de trabalho escola ;

Crianças cada vez mais sozinhas entregues a um qualquer gadget porque os pais têm de trabalhar cada vez mais para pagar tudo o que nunca tiveram mas que fazem questão que os filhos tenham ;

Crianças que vão crescendo sem supervisão efetiva. 

 

Tudo o que  uma criança precisa quer é que o gadget da moda se lixe e que o pai brinque com ele na rua e que a mãe lhe leia histórias antes de adormecer.

 

Até que isso aconteça, continuarão a interpretar ( e a transpor para o seu dia a dia)  o que leem mais ou menos assim:

csscissors.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)


13 comentários

Imagem de perfil

De Quarentona a 11.10.2016 às 08:10

Concordo plenamente, mas não é fácil sair dessa rotina...
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 11.10.2016 às 17:59

Fácil não é  mas há que contrariar sob pena dos efeitos colaterais serem ,a longo prazo , devastadores. 
Posso garantir - te que a forma "negligente " como se criam os filhos hoje em dia vai pagar - se muito cara no futuro.
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 11.10.2016 às 12:54

Uma grande verdade que urge mudar.
A imagem impressiona-me.
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 11.10.2016 às 18:02

A imagem retrata na perfeição a maneira como as crianças de hoje encaram o que veem porque o fazem sem supervisão efetiva. Da mais inocente história infantil só conseguem ficar fascinados pelo lado violento que entretanto vão reproduzindo pelos que estão próximos.  
Imagem de perfil

De A Caracol a 11.10.2016 às 13:13

O Caracolinho gosta de ver e ouvir as músicas no YouTube, até há bem pouco tempo era assim que adormecia: com um telemóvel a ver o panda. Até que achei que aquilo não era saudável. Ok, sou um bocadinho paranóica, mas já o estava a imaginar a passar dos caricas para o Dragon Ball e isso faz me especie. De uma noite para a outra, passamos a ver livros. Não se pode dizer que lhe conte uma história, limitamo-nos a folhear e ver os animais, objetos e pessoa. Se custou? Muito. Nos primeiros dias pedia o telemóvel, mas foi um hábito, como o outro já o tinha sido. Queres que te diga? Somos muito mais felizes com ele a apontar 359x para o lobo, a ovelha, o carro... Já me alonguei demasiado, mas isto só para dizer que é possível fazer mudanças mínimas na rotina dos miúdos. Ah, o pequeno Caracol tem quase dois anos. ;) 
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 11.10.2016 às 18:05

..."Somos muito mais felizes com ele a apontar 359x para o lobo, a ovelha, o carro... "

Tão bom ler isto ! 
Aproveita bem todos esses momentos pois o tempo voa. 
Imagem de perfil

De Psicogata a 11.10.2016 às 15:11

As crianças crescem sem apoio, carinho, mimo e atenção, tudo coisas que foram substituídas por bens materiais e competições entre os pais de quem é que tem o quê e quem é que sabe o quê.
É por isso que depois vemos algumas crianças desenvolverem um amor imenso por estranhos porque são eles que lhes dão atenção.
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 11.10.2016 às 18:08

E todos nós sabemos que nem sempre esses estranhos são bem intencionados...
É muito fácil cativar uma criança carente e é pena que a maioria dos pais não se aperceba disso.
Quanto à competição de que falas aguarda pelo post de amanhã intitulado " O meu filho é melhor ' có teu!". Vais gostar!
Imagem de perfil

De Psicogata a 11.10.2016 às 19:50

E os ciúmes que têm das amas,  dos avós,  dos tios e até dos amigos que brincam com os filhos! 
Os estranhos é grave, muito grave,  mas a carência de afecto pode proporcionar a que as crianças  sejam mais facilmente cativadas. 
Acho que vou adorar o próximo 😁
Sem imagem de perfil

De Magui Ferreira a 11.10.2016 às 17:14

Sim, os pais têm que trabalhar e chegam a casa cansados do trabalho, do chefe, do trânsito, do diabo a sete. Vão buscar os filhos tarde aos Centros de Tempos Livres, de onde já vêm com os trabalhos de casa feitos, bem ou mal. É neste ambiente de cansaço, de falta de tempo, de impaciência que o carácter das nossas crianças se vai formando. Mesmo assim, os pais capricham em dificultar, porque gostam de exibir os filhos como se fossem troféus, porque têm que ser melhores que o filho do vizinho, do primo da Beira Alta, da D. Alzira. Os pais depositam em cima dos filhos, o fardo dos seus sonhos e desilusões, não tendo consciência que dessa maneira lhes estão a hipotecar a vida.
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 11.10.2016 às 18:11

Ó mulher tu deves ter costela da tal bruxa que te persegue ...
Então não é que o post que agendei para amanhã (e escrito há vários dias) tem a ver com isso? !
É intitulado " O meu filho é melhor ' có teu!"
Aguarda que vais gostar! 
Sem imagem de perfil

De Magui Ferreira a 11.10.2016 às 23:03

Aguardo, pois. Quanto à costela, já alguém dizia "não negue à partida uma ciência que desconhece" :))
Sem imagem de perfil

De musiquinhas a 12.10.2016 às 00:27

Bom resto de semana e muitos beijinhos!!

Comentar post






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.