Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A gaja e as 'ssoas nos aviões

por Pequeno caso sério, em 11.08.17

A gaja não gosta de andar de avião. Ainda assim, e se quer conhecer o mundo ,a gaja uma vez por ano lá se enfia umas (poucas) horas dentro do pássaro de metal .

Enquanto está lá dentro, a gaja arranjou maneira de se abstrair e identificou algumas espécies interessantes dignas de figurarem numa qualquer National Geographic.  A saber:

 

as assistentes de bordo - a gaja pensava que era condição essencial para ser assistente de bordo , falar inglês. Ora o que é que acontece? Acontece que elas falam uma língua que ninguém percebe um caralho para além da palavra "passengers". A gaja tentou, jura que tentou, mas não dá. Também não importa. Se aquela merda cair, ninguém lhes vai perguntar nada mesmo.

 

o comandante confiante- a gaja gosta de 'ssoas confiantes sobretudo quando se trata de alguém que está a conduzir uma lata, no ar, com uma data de gente lá dentro. O que a gaja já não gosta assim tanto é quando o comandante vem ao microfone dizer que é muito bom naquilo que faz, que a experiência é muita, que o tempo está uma maravilha (e portanto a viagem vai decorrer calmamente) e que , 10 minutos após a descolagem a merda do avião abane como gelatina. O comandante afirma a pés juntos que nunca aconteceu em muitos anos daquele trajeto. Tinha de ser hoje. Sorte da gaja.

 

o passageiro da frente- que insiste em deitar o banco para cima da gaja. A gaja fica fodida ! Ter de lidar com o nervoso já é mau. Se a isso acrescentarmos um espaço reduzido, temos a conjuntura ideal para a gaja ficar exaurida dos nerves!

 

o passageiro de trás- que insiste em empurrar com os pés (ou joelhos) as costas do banco onde a gaja vai sentada! Juntem o passageiro  da frente com o passageiro de trás e digam lá se não é uma maravilha? Pois. Podia sempre viajar em executiva não era? Não, não era que não ganho para isso. Uma merda ser pobre, fazer o quê?

 

 

o passageiro nervoso- enerva-se a ele e aos restantes. Abana o pé, abana a perna, roi as unhas e bufa exalando um hálito do demóine.

A-D-O-R-O! 

 

enfardadeira- a gaja é um bom garfo mas há limites. Comida de avião é um deles. A gaja fica sempre surpreendida com a capacidade que algumas 'ssoas têm de enfardar tudo o que vem no tabuleiro seja almôndegas de cagalhão ou água de lavar pés a que as simpáticas assistentes de bordo chamam café.

 

o socialão- esta espécie de passageiro age como se andar de avião fosse a coisa mais natural que existe mesmo sofrendo de tudo o que já descrevi acima. Acresce ainda o facto de , ao fim de 10 minutos , já está a meter conversa com toda a gente. Basta que alguém espirre . Não há pachorra. Uma 'ssoa com medo que aquela merda caia e o gajo a querer conversar. Cala-te e dorme, dasssssssssssss !

 

o soneca- aquele que apaga ainda o avião não descolou, acorda para enfardar tudo o que está no tabuleiro para apagar novamente logo a seguir. A gaja não sabe o que esta gente toma , mas gostava muito de saber (devia ter pedido ajuda ao socialão).

 

a figura pública- aquela pessoa que nos entra pelo écran dentro todas as noites, que viaja em económica -que isto está difícil para todos- mas que fica toda enxofrada quando é reconhecida mesmo que ninguém lhe tenha dirigido palavra e tenha respeitado a sua privacidade.Once a DIVA, always a DIVA.

 

 

 

E depois de tudo isto o que eu gosto mesmo é quando me dizem,

não percebo porque é que não gostas de andar de avião...

csscissors.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)


15 comentários

Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 11.08.2017 às 23:43

Uma eterna insatisfeita,  é o que é. 

Comentar post






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.